Comparativo: novo Honda City EXL encara VW Virtus Highline

Versões mais caras dos sedãs compactos premium têm preços similares, mas com diferenças importantes entre si

Quem busca um sedã compacto premium automático, entre R$ 80 e R$ 85 mil, tem poucas opções no mercado.

Na prática, são duas as alternativas: o novo Honda City EXL, por R$ 83.400, e o recém lançado Volkswagen Virtus Highline, que parte de R$ 79.990.

QUATRO RODAS convocou a dupla em suas versões mais caras para um duelo que mira no mesmo público, mas com receitas consideravelmente distintas entre si.

O japonês feito em Sumaré (SP) se inspirou no irmão Civic para ficar mais requintado, enquanto o sedã derivado do Polo tem uma proposta mais tecnológica, com destaque para itens como o exclusivo painel digital, que é vendido como um opcional da versão Highline por R$ 3.300.

Honda City VW Virtus Comparativo

O Azul Boreal do City custa R$ 990 extras, enquanto o Cinza Platinum do Virtus adiciona R$ 1.450 (Rodrigo Ribeiro/Quatro Rodas)

O equipamento, além de ser um dos maiores atrativos do Volkswagen, aproxima ainda mais a novidade do City, com uma diferença de R$ 110 entre os dois.

O Virtus, aliás, é o único a ter opcionais além da pintura metálica ou perolizada.

O VW oferece, à parte, o painel digital (que vem incluso junto a outros equipamentos, que detalharemos a seguir), rodas de 17 polegadas, bancos de couro sintético e banco do passageiro dobrável.

Completo, Virtus chega aos R$ 85.590.

Escolas diferentes

O veterano motor 1.5 do City não teve alterações e gera até 115 cv com etanol (Léo Sposito/Quatro Rodas)

A reestilização do City não mexeu em nada no conjunto mecânico.

O quatro-cilindros 1.5 aspirado de até 115 cv segue como única opção do sedã, que no pacote EXL vem junto de um câmbio automático CVT com opção de troca de sete marchas virtuais por borboletas no volante.

Comparativo Fiat Cronos x Volkswagen Virtus

Motor 1.0 TSI do Virtus é mais potente que o do Up! e Golf (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Atrás do retilíneo para-choque do Virtus também não há surpresas para quem acompanha os últimos lançamentos da Volkswagen.

O 1.0 TSI de três cilindros com turbocompressor e injeção direta é o mesmo de Up! e Golf, calibrado para gerar até 128 cv e saudáveis 20,4 mkgf.

Como no Honda, o câmbio é compulsoriamente automático, mas do tipo convencional (com conversor de torque e engrenagens planetárias) e seis marchas.

A escolha da marca japonesa por manter o veterano motor 1.5 aspirado é ousada, já que o conjunto se mostrou aquém em todos os números de desempenho.

Honda City Dianteira

Versão topo de linha do novo City agora tem LEDs na DRL, facho baixo e alto do farol (Rodrigo Ribeiro/Quatro Rodas)

Em nossos testes o City levou 12,2 segundos na aceleração de 0 a 100 km/h, enquanto o Virtus precisou de 10,1 segundos.

O vigor do alemão continuou nas retomadas, com diferenças que superaram 1 segundo na prova de 40 a 80 km/h (veja mais abaixo).

Volkswagen Virtus

Versões Highline do Virtus têm DRL em LED no para-choque, mas faróis são convencionais (Rodrigo Ribeiro/Quatro Rodas)

O melhor aproveitamento do câmbio CVT, que tem relações de marcha quase infinitas, compensou parte das limitações do 1.5 no consumo com gasolina.

O Honda obteve 12,5 e 17,0 km/l  no ciclo urbano e rodoviário, respectivamente.

Já o Virtus marcou 12,7 km/l e 17,6 km/l – quase um empate técnico.

Olha, sem as mãos!

A qualidade aparente no interior do City é ótima, mas faltam equipamentos (Léo Sposito/Quatro Rodas)

A atualização de meia-vida do City não trouxe, ao contrário do que ocorreu no Fit, o ESP.

O equipamento é de série no Virtus TSI e ainda dispõe de assistente de partida em rampa e vetorização por torque.

Falta ao Honda outros itens presentes no Volkswagen, como a abertura do carro e partida do motor por chave presencial, sensor de estacionamento, difusor do ar-condicionado para segunda fileira e terceira entrada USB.

Por outro lado o City é o único do segmento com farol alto e baixo em leds, enquanto o Virtus usa os diodos apenas para a DRL.

Outras exclusividades do Honda são os retrovisores com rebatimento elétrico e seis airbags de série.

Só que o VW conseguiu, mesmo com só quatro airbags, nota máxima na proteção para adultos e crianças no Latin NCAP, superando inclusive o Honda.

Comparativo Fiat Cronos x Volkswagen Virtus

No centro do painel do Virtus equipado com o pacote Tech High, tela incorporada e suporte para celular (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O maior pacote de opcionais do Virtus, chamado Tech High, também dá um banho no City. Ele inclui, além do painel totalmente digital, sensor de chuva e crepuscular, retrovisor interno eletrocrômico, sistema multimídia de 8″ com sensor de aproximação e espelhamento para iOS e Android, sensor de estacionamento dianteiro e alerta de perda de pressão dos pneus.

Suavidade japonesa

O tanque de combustível central do City limita o quanto dá para colocar o assento dianteiro para trás, atrapalhando quem é mais alto (Léo Sposito/Quatro Rodas)

Uma longa lista de equipamentos conquista na compra, mas é no dia a dia que um veículo, sobretudo familiar, que o carro conquista – e até fideliza – seu consumidor.

Seja para encarar o trânsito diário, seja para viajar, a dupla oferece o básico para a faixa de preço, com direção assistida eletricamente, ar-condicionado digital de uma zona, travas, vidros e retrovisores elétricos, controlador de velocidade e luzes diurnas em leds.

A posição de dirigir é confortável e a maciez da suspensão notada no Polo se repete

A qualidade de montagem do Virtus é boa. Bancos com couro são opcionais (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A Honda teve mais cuidado ao projetar o interior do City.

O sedã não transparece os quatro anos que separam seu lançamento do rival alemão, e, mesmo repleto de plástico na cabine, ele tem uma qualidade aparente maior.

Isso se dá pelo uso de materiais de colorações diferentes, como a faixa prateada que cruza o console, e a charmosa solução do painel sensível ao toque que comanda o ar-condicionado.

Comandos de ventilação com painel digital sensível ao toque no City (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ao ser desligado, o LCD esconde os comandos, dando um requinte que destoa das múltiplas tampas sem função que contornam o ar-condicionado de aspecto simples do Virtus.

A suspensão do Honda é mais macia a ponto até de compensar os pneus de perfil mais baixo, e absorve muito bem as irregularidades do simulacro de queijo suíço que chamamos de asfalto brasileiro.

Ar-condicionado é digital e de duas zonas

Poucos botões em uso dão a sensação que o ar-condicionado do Virtus poderia ter muito mais funcionalidades (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A direção combina com essa suavidade e é um pouco menos responsiva.

E faz sentido o City transparecer tanto sossego, pois qualquer tentativa de esportividade do sedã se transformaria em frustração na primeira ultrapassagem.

Não é só nos números que o Honda fica para trás. Mesmo sem pisar fundo no acelerador, o 1.5 demora a responder e, quando o faz, é acompanhado de rotações elevadas típicas de modelos CVT em aceleração plena.

Quem vai atrás no City não tem difusor do ar-condicionado nem reclinação do encosto – disponível na geração anterior do modelo (Léo Sposito/Quatro Rodas)

Nesse aspecto, o Virtus nem parece ser do mesmo segmento.

O três-cilindros turbinado responde rápido a qualquer comando do acelerador, e a função Sport do câmbio automático raramente faz falta, já que a caixa fornecida pela Aisin tem boa calibração.

O único senão fica por conta de trancos em baixa velocidade no Virtus avaliado – característica que não se repetiu em outras unidades testadas por QUATRO RODAS anteriormente.

1Comment
  • Um comentarista do WordPress
    Posted at 19:43h, 26 abril Responder

    Olá, isso é um comentário.
    Para começar a moderar, editar e deletar comentários, visite a tela de Comentários no painel.
    Avatares de comentaristas vêm a partir do Gravatar.

Post A Comment